The Black Horse Square#2


[Sesta, Terreiro do Paço, Jorge Guerra, 1966]

| joão amaro correia | 25.2.09 |   |

de memória


[Calçada da Ajuda, Lisboa + Álvaro Siza, Rua do Alecrim, Lisboa]

| joão amaro correia | 24.2.09 |   |

geometria das horas


[Rua da Alfândega, Lisboa]

| joão amaro correia | 22.2.09 |   | /

bate-chapas: a reconquista

O trânsito que cruza(va) a Ribeira das Naus até ao Campo das Cebolas é maioritariamente de passagem e de atravessamento da cidade. A manhã de sol de hoje provou-o à saciedade e revelou o fracasso dos oráculos dos nossos sacrossantos automóveis. Por uma vez, e espera-se que para exercício futuro, a cidade não é “desenhada” em função das acessibilidades, funcionalidades, e outros ismos que carregam consigo o apego ao egoísmo anti-urbano, anti-democático.
Há qualquer coisa de reconquista quando se atravessa para o Cais das Colunas sem sermos gaseados por combustível queimado, quando nos sentimos acompanhados por estranhos mesmo que não nos atrevamos a desejar o V Império nem o regresso de Sebastião, quando voltamos a experimentar simultaneamente o desconforto e o esplendor e o sublime do Terreiro do Paço. A Lisboa dos bocados urbanos circunscritos pelas auto-estradas do desenvolvimentismo provinciano pode agora transformar-se numa cidade de civilização e de liberdade.
Por disperso e anárquico que seja o processo de planeamento do que hoje se iniciou, deu-se a primeira martelada na chapa da ditadura automóvel na cidade de Lisboa. Talvez ainda não pelas razões certas, ou por todas as razões certas, podemos começar a desejar uma cidade em que se consiga habitar o e no espaço público, onde, por exemplo, os amantes deixem de marchar em fila indiana e possam caminhar lado a lado, de igual para igual, entre eles e a cidade, sem o entulho tecnológico e social da omnipresente viatura individual. E a quem queira esperar D. Sebastião, que se sentem no Cais das Colunas, esperem por um dia de nevoeiro, enquanto a nós, os mais prosaicos e triviais, é-nos suficiente matéria de felicidade o sol e a cidade.

| joão amaro correia | 16.2.09 |   | /

modernity is man's loneliness in a practical world


George Steiner


para os meus amigos da Praça das Flores.

| joão amaro correia | 15.2.09 |   |

it's the end of the world as we know it (and i feel fine)


[Central China Television, Rem Koolhaas, 2002-2009]

| joão amaro correia | 10.2.09 |   | / /

marxismo


[Roberto Burle Marx, Copacabana]

| joão amaro correia | 9.2.09 |   |

The Black Horse Square


[Instalações Sanitárias, Praça do Comércio, Lisboa]

| joão amaro correia | |   |

próxima estação: terreiro do paço


[Eugénio dos Santos, Carlos Mardel, circa 1760]

| joão amaro correia | 1.2.09 |   |

cultura pública

Editorial Vision
Public Culture reports and reflects current research on:

* the cultural transformations associated with cities, media and consumption, and
* the cultural flows that draw cities, societies and states into larger transnational relationships and global political economies.


PUBLIC CULTURE

grato ao António

| joão amaro correia | |   |