a casa encantada


[
Spellbound, Alfred Hitchcock, 1945]


Se pretendemos representar espacialmente a sucessão histórica, só o podemos fazer por uma justaposição no espaço; o mesmo espaço não pode ser ocupado por duas coisas distintas ao mesmo tempo. A nossa tentativa parece um jogo ocioso; a sua justificação é apenas esta: mostra-nos como estamos longe de abarcar numa imagem todas as características da vida mental.
Temos ainda que responder a uma objecção. Poderá perguntar-se por que razão escolhemos precisamente o passado de uma cidade como termo de comparação com o passado mental. A suposição de que todo o passado e conservado só é válida também para a vida mental apenas na condição de que o órgão da psique permaneça intacto, de que o seu tecido não seja danificado por traumas ou inflamações. No entanto, as influencias destrutivas equiparáveis àquelas causas patológicas estão sempre necessariamente presentes na história de qualquer cidade, mesmo de uma cidade que, como Londres, praticamente nunca foi invadida por inimigos. O desenvolvimento perfeitamente pacífico de uma cidade inclui a demolição e substituição de edifícios, e é por esta razão que o exemplo de uma cidade não é apropriado para a comparação com um organismo mental.


[Sigmund Freud,
O Mal-Estar na Civilização]


Sigmund Freud
[6.6.1856 — 23.9.1939]


about this entry


  1. AM 23.9.09

    "O desenvolvimento perfeitamente pacífico de uma cidade inclui a demolição e substituição de edifícios."

    sim, mas... um grande mas...

     
  2. joão amaro correia 24.9.09

    talvez o 'pacífico' é que seja not so true. a coisa é, pode ser, violente. quase sempre.
    mas quase deduzo que o teu inquieto 'mas' terá mais a ver com o edifício que substitui do que com o substituído. és um céptico.

    mas é um facto: as coisa substitue-se umas às outras, sucedem-se. 'replace', parece-me uma mais rigorosa definição.