cidade sucata, ou o afã dos deslumbrados engenheiros das vias [do progresso]

[...]
Até hoje, a vasta maioria das obras (megalómanas) foram sempre para benefícios dos não-lisboetas e pagas com os recursos da câmara dos lisboetas. É absurdo mas é verdade.
Durante os últimos decénio, os recursos da Câmara Municipal de Lisboa, o dinheiro dos lisboetas, foram para fazer viadutos, túneis e parques de estacionamento subterrâneos para que os não-lisboetas entrassem na cidade e estacionassem, o mais confortavelmente possível. O dinheiro dos lisboetas tem sido usado para tornar a vida dos próprios lisboetas num inferno.
Vejamos. Auto-estandartizou-se a grande maioria das avenidas: a Av. da Liberdade, a 24 de Julho, a da República, o Campo Grande, a Gago Coutinho... Transformou-se em campo de batalha a circulação nas várias praças e rotundas da capital. Lembremo-nos do que era o Saldanha, do Marquês que está como está, do Largo do Camões, do que deveria ser o Areeiro, da rotunda de Entrecampos, etc. [...]
Tudo isto para facilitar a entrada em Lisboa de cada vez mais carros, causando mais poluição e mais custos de congestionamento a quem cá vive.
[...]

Luís Campos e Cunha, Público, 2.5.2008


about this entry


  1. Lourenço Cordeiro 5.5.08

    Não tinha dado por esse artigo, não o tens completo?

     
  2. joão amaro correia 5.5.08

    na néite não estava disponível.
    acho que ainda conservo o pasquim de sexta-feira. poderei facultá-lo depois de scanarizado.